dandirevoltado

Friday, May 12, 2006

O mundo real

A maioria dos seres vivos pluricelulares, vertebrados e que possuem um apêndice que não serve para nada, já ouviu falar do movimento literário chamado romantismo. Esse movimento dava ênfase à exaltação dos sentimentos, a idealização do amor, a subjetividade e a produção de histórias tão melosas e açucaradas que eram capazes de matar em poucos minutos alguém que sofresse de diabetes. A partir de 1830, o romantismo mela cueca cedeu lugar a um outro movimento literário chamado de Realismo.
O Realismo, ao contrário do romantismo, tinha o intuito de mostrar objetividade, descrição de costumes, situações cotidianas e personagens que são pluricelulares, vertebrados e que possuem um apêndice que não serve para nada, ou seja, personagens humanos, demasiadamente humanos. Os ideais de realidade nas manifestações artísticas e na reprodução da sociedade, juntamente com o avanço científico daquela época, inspiraram os artistas do realismo a buscarem idéias na filosofia positivista, no liberalismo, em ideais republicanos, anticlericais e em muitas situações que destacavam os prazeres carnais, eu disse prazeres carnais, pois "putaria" é um termo com caráter pejorativo e pode perfeitamente ofender pessoas sensíveis, hipertensos, crianças, idosos e demais indivíduos que nunca assistiram a um show do "É o Tchan".
Um exemplo de romance realista é "Madame Bovary", escrito pelo francês Flaubert. Outros escritores publicaram romances ou contos realistas, como os irmãos Goncourt, Alexandre Dumas Filho entre outros que não valem a pena citar aqui, pois ninguém lê essa porcaria de blog mesmo.
Dentro do realismo surgiu uma outra vertente conhecida como Naturalismo, essa vertente tinha um forte apelo científico e afirmava que o comportamento humano era produto da sociedade e o Homo Sapiens age basicamente por instintos, tal qual os torcedores do Internacional quando sabem que o seu time termina uma partida derrotado.
Em terras lusitanas, o realismo foi representado pelos escritores Antero de Quental, Eça de Queirós, Teófilo Braga e outros que não vale a pena citar aqui, pois a maioria das pessoas prefere ler a Revista Caras.
Os romances "O crime do Padre Amaro" e "O primo Basílio" foram escritos por Eça de Queirós, esses dois romances destacavam bastante as tendências naturalistas e deterministas das personagens, além de apresentar uma severa crítica aos costumes da época.
No Brasil o realismo revelou nomes como Machado de Assis, Raul Pompéia e Aluízio de Azevedo, nomes que com certeza você já viu em alguma apostila para o vestibular, aliás, apostilas que você só lê na véspera da prova, pois como todo ser vivo pluricelular, vertebrado e que possui um apêndice que não serve para nada, você só age por instinto.

Dostoievsky, Stendhal, Balzac, Charles Dickens, Tolstoi eram escritores realistas, mas coitados, eles não tiveram culpa, eles eram apenas produtos do meio social.

2 Comments:

Blogger guigodorneles said...

te adicionei num blog q revolvi reativar hoje... nada demais, uma grande merda... http://nonoanimo.blogspot.com/

falow

11:22 PM  
Blogger guigodorneles said...

tem q postar mais velho...
vou tentar dar um jeito de aprender a fazer um layout melhor... se tu quizer faço outro pra ti tbm... esses layouts do blogger são uma merda...
falow

12:16 PM  

Post a Comment

<< Home