dandirevoltado

Saturday, April 29, 2006

Navegar é preciso

Lá no século VIII, quando a Europa feudal parecia um cenário de RPG e as pessoas pareciam ser personagens do "Caverna do Dragão", parte da península ibérica e um cantinho da África foram conquistadas pelos árabes, ou seja, o mar Mediterrâneo era dos árabes, eles viram primeiro e ninguém tasca. O problema é que a Europa precisava do Mediterrâneo tanto quanto a Madonna precisa aparecer na mídia, pois o mar Mediterrâneo possibilitava as trocas comerciais entre os povos do oriente (leia-se chineses, indianos e demais seres que não eram considerados "civilizados" pois não sabiam quem foi Jesus Cristo).
A solução encontrada para chegar até esses povos e garantir uns trocados e lucros exorbitantes para a elite européia, foi achar outro caminho, um caminho que ninguém nunca tinha cruzado e se tinha cruzado, não voltou para falar como é, pois naquela época lendas diziam que em mares nunca d'antes navegados existiam monstros tão horripilantes que deixariam os inimigos do Jaspion parecendo os ursinhos carinhosos.
O resto da história, quem não ficou dormindo em sala de aula sabe, os europeus acharam uma nova rota para chegar ao oriente e no meio do caminho, sem querer "querendo", descobriram o novo mundo, conhecido pelos mais íntimos como América. Para os europeus, a necessidade de lucro era tanta, que para eles viver não era preciso, navegar era preciso.
Hoje, século XXI, no planeta Terra globalizado você pode conhecer a Europa, o Egito, a Turquia, você pode ir até onde o Judas perdeu as meias apenas clicando um mouse, mas quando todas as reservas de energia da Terra se esgotarem, vamos ter que encontrar um outro admirável mundo novo para colonizar, tal qual os europeus encontraram a América. Mas para isso navegar não será mais preciso, ou melhor, será preciso sim, mas não através dos sete mares e, sim através da imensidão do espaço sideral.

0 Comments:

Post a Comment

<< Home